Elementos culturais do Branco, ìndio e Negro na Música Popular Brasileira

 

Elementos culturais do Branco, índio e negro na música brasileira

O índio, o negro e o branco colonizador. São estes os povos com suas culturas que deram a base das raízes da Música brasileira nós temos hoje.
Foi durante o Brasil colônia que esta música começou a ser tecida, por volta de 1730, nas cidades metrópoles da época - salvador e Rio de Janeiro.

Descoberto o Brasil, já tivemos a Missa católica sendo celebrada com seu canto litúrgico gregoriano. Em 1552 chegou à Bahia o primeiro bispo, D. Pedro Fernandes Sardinha com seu mestre-capela Francisco Vaccas, que era músico e cantor.
O primeiro compositor brasileiro que se conhece nos registros históricos é Eusébio de Matos Guerra ou Frei Eusébio de Soledade (1628-1672), irmão do poeta Gregório de Matos um grande tocador de viola e cantador de lundus. Compôs música religiosa e profana, mas sua obra se perdeu. Nestas poucas linhas já é possível termos uma idéia das raízes da MPB, senão vejamos:


Do branco - veio o Canto gregoriano com seus atos e ladainhas que eram sendo misturados com as danças e cantos indígenas, visando à doutrinação; a habanera, ritmo-dança de origem cubana ue se propagou pela Europa com nomes como: Polca, mazurca, etc. Esse gênero com o ritmo brasileiro afro-indígena originaria o maxixe, o antecessor do samba. Portanto, as primeiras manifestações musicais históricas vêm com os Jesuítas.

Do Negro - veio o Lundu, batuque negro com coreografia de cunho sensual e insinuante. Nos fins do século XVIII, o lundu sai das senzalas onde estava confinado, para entrar nos palácios, agradando a aristocracia. Logo se torna modismo e dança de salão. O lundu daria ao ritmo brasileiro todo o sapateado, o remelexo dos quadris, o batuque, etc.
E do bailado negro veio os congos (ou congada), o maracatu o maculelê, etc., e inumeráveis gêneros musicais.

Do índio - Veio o cateretê, de origem tupi, ue absorveu a coreografia dos negros sudaneses, junto com a dança africana. Antes, o cateretê funde-se com o canto gregoriano.

Não há muitos traços indígenas marcantes na música brasileira, como se dá com o elemento negro. É que o indígena foi um participante passivo perante a imposição da cultura branca colonizadora e não utilizou as manifestações culturais como forma de resistência como aconteceu com o negro escravizado.
Eles evitavam o contato profundo com o branco colonizador, resistindo à aculturação por meio do isolamento, fugindo para regiões de difícil acesso. Desta forma, a contribuição na musica brasileira foi muito restrito, a ponto de desaparecer completamente, ficando como um universo à parte perante as outras influências que floresceram no Brasil.
Mas foi no encontro com o elemento negro que a musica indígena resultou numa cultura específica que se denomina cabocla. Por exemplo, no maracatu, no candomblé é possível vermos as reminiscências indígenas. Contudo, é ainda possível encontrarmos a musica indígena de forma mais ou menos autêntica, seja nos ritos religiosos e festejos sociais, como as cerimônias do Kuarup, do Ouricuri e Umbu na Amazônia

Wednesday 27 July 2011 17:49



2 Comentário(s)

  • luana mailto Wed 23 Apr 2014 15:49
    me ajudou mas eu queria saber qual foi a contribuição do índio na musica na dança e na culinária
    mas vc me ajudou obrigada
  • ? Fri 14 Jun 2013 13:22
    :me ajudou muito na pesquisa obrigada!!!!!!



o seu comentário :

(Facultativo)

(Facultativo)

error

Atenção, os comentários insultuosos, racistas, etc. são proibidos neste site.Se alguma queixa for apresentada, utilizaremos o seu IP (54.87.72.90) para o identificar.     



abrir barra
Fechar barra

Deve estar conectado/a para escrever uma mensagem musicaeritmosamazonicos

Deve estar conectado/a para adicionar musicaeritmosamazonicos os seus amigos

 
Criar um Blog